CONFIRA: A Esquerda é pior que as facções PCC e CV

A Esquerda se aparelhou de duas formas:

– Roubando os cofres públicos via propinas nacionais e internacionais;

– Garantindo apoio popular distribuindo bolsa-família, auxílio defeso, benefícios e aposentadorias irregulares a la vontê, quebrando o sistema de previdência.

Tudo isso quebrou o País.

Descobertos em seus crimes, os bandidos da esquerda partem com tudo para cima do atual governo atribuindo a este os crimes que eles cometeram sem piedade. São piores que as facções de traficantes PCC (Primeiro Comando da Capital) e CV (Comando Vermelho), pois elas não roubam a comunidade onde atuam.

Essa imagem tem um atributo alt vazio; o nome do arquivo é esquerda-c389-pior.jpg

No artigo VI, o Estatuto do PCC apreendido na Monte Cristo afirma não admitir como integrantes ‘estrupadores (sic), pedofilia, caguetagem, mentiras, covardia, opressão, chantagens, estorções (sic), inveja, calúnia e outros atos que ferem a ética do crime’.

Já esquerda não cumpre nem a ética do crime, conforme tem revelado as investigações da Lava Jato e as atitudes dos membros da esquerda no Congresso Nacional. Se escondendo na proteção parlamentar rangem os dentes contra Bolsonaro e a Lava Jato que estão desmontando sua organização criminosa capitaneada por Lula e seus partidos comparsas.

Pastor do MA cita 16 atitudes que deixam a Left furiosa

O pastor e deputado federal pelo Maranhão, GILDENEMYR DE LIMA SOUSA cita 16 atitudes de Bolsonaro ruins para seus inimigos:

Jair Messias BolsonaroPresidente da República. É o chefe de Estado e de governo da República Federativa do Brasil.

1 – O cara que não entende de política e vai no G20 e faz o maior acordo econômico da história do Brasil;
2 – O assassino que nunca matou alguém;
3 – O ditador que sempre exerceu cargo eletivo;
4 – O homofóbico que recebe beijos e abraços de homossexuais;
5 – O nazista que empunha a bandeira de israel, que defende e dá palestras na comunidade judaica e é ovacionado;
6 – O racista que tem um negro como melhor amigo há vários anos(Helio Bolsonaro);
7 – O violento que levou purpurinas, ovos, cuspe na cara e por fim uma FACADA no abdômen e nunca reagiu e agrediu alguém fisicamente;
8 – O mentiroso que só diz verdades que doem;
9 – O louco que defende que bandido seja tratado como Bandido;
10 – O estuprador que é contra o estupro e o aborto;
11 – O radical que defende que o cidadão tenha o direito de defender sua família e sua propriedade;
12 – O burro, que inteligentemente, admite quando não entende de determinado assunto;
13 – O único corrupto que NÃO tem processo por corrupção em 27 anos atuando no ambiente mais corrupto do mundo;
14 – O candidato dos ricos que fez a campanha mais pobre da história e o mais atacado por todos;
15 – O político mais burro, pois anuncia seus principais ministros antes mesmo do fim do primeiro turno, não deixando margens para negociatas no segundo turno;
16 – O prepotente que ousa dizer que não negocia cargos com partidos em troca de tempo de TV.

A palavra Left em inglês foi colocada de propósito. E quer dizer: Esquerda

São 16 atitudes que deixam a Esquerda furiosa.

#JAIR_MESSIAS_BOLSONARO!

Deltan Dallagnol diz não aos investigados que se esconde no covil do Congresso

Investigados e réus em processos criminais que se escondem no Congresso Nacional queriam tripudiar em cima do procurador da República Deltan Dallagnol, que investiga os bandidos da política brasileira.

No covil aqueles parlamentares que são bandidos e aliados estavam combinando escrachar com a profissão do procurador, pois a organização criminosa que é alvo do procurador está usando dados roubado da Força-Tarefa que a investiga.

Com isso muitos bandidos do Congresso estão utilizando esses dados para anular condenações de membros da Gang e barrar as investigações que resultarão na prisão exatamente destes que queriam escrachar com o procurador.

RELATÓRIO DA ONU: O ditador Maduro já mandou executar 6.856 venezuelanos

A chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, durante coletiva de imprensa após se reunir com o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas, na Venezuela 21/06/2019 REUTERS/Fausto Torrealba

Números do governo mostraram que as mortes atribuídas a criminosos que resistiram à prisão alcançaram 5.287 no ano passado e 1.569 até 19 de maio deste ano. O relatório da ONU disse que muitas delas parecem ter sido execuções extrajudiciais.

As famílias de 20 homens descreveram como mascarados das Forças de Ação Especial da Venezuela (FAES) vestidos de preto chegaram em picapes pretas sem placas. Segundo os relatos, os esquadrões da morte invadiram as casas, levaram pertences e agrediram mulheres e meninas, às vezes arrancando suas roupas.

“Eles separavam homens jovens de outros familiares antes de baleá-los”, disse o relatório.

“Em todos os casos, testemunhas relataram com o FAES manipulou a cena do crime e as provas. Eles plantavam armas e drogas e disparavam contra as paredes ou para o alto para insinuar um confronto e para mostrar que a vítima ‘resistiu à autoridade'”.

A chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, visitou a Venezuela no mês passado e apresentará o relatório ao Conselho de Direitos Humanos da entidade na sexta-feira.

O relatório disse que os assassinatos são parte de uma estratégia do governo do presidente Nicolás Maduro que visa “neutralizar, reprimir e criminalizar oponentes políticos e pessoas críticas do governo” que se acelerou desde 2016.

A ONU também divulgou uma resposta por escrito do governo venezuelano às suas conclusões, que classificou o relatório como uma “visão seletiva e abertamente parcial” sobre a situação dos direitos humanos no país sul-americano e argumentou que a ONU contou com “fontes que carecem de objetividade” e que ignorou informações oficiais.

A VEJA SE LASCOU: Moro emite nota e destrói a armação da revista em 5 pontos

Confira a nota na íntegra:

“Sobre a reportagem da Revista Veja:

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, não reconhece a autenticidade de supostas mensagens obtidas por meios criminosos e que podem ter sido adulteradas total ou parcialmente. Lamenta-se que a Revista Veja se recusou a encaminhar cópia das mensagens antes da publicação e tenha condicionado a apresentação das supostas mensagens à concessão de uma entrevista, o que é impróprio. De todo modo, alguns esclarecimentos objetivos:

1 – Acusa a Veja o ministro, então juiz, de quebra de parcialidade por suposta mensagem na qual teria solicitado manifestação urgente do Ministério Público para decidir sobre pedido de revogação de prisão preventiva de José Carlos Bumlai. A prisão preventiva de José Carlos Bumlai foi decretada em 19 de novembro de 2015. Houve pedido de revogação da prisão ao final do mês de dezembro. O recesso Judiciário inicia em 19 de dezembro. Então, a manifestação do Ministério Público era necessária, como é em pedidos da espécie, para decidir o pedido da defesa. A urgência decorre da natureza de pedido da espécie e, no caso em particular, pela proximidade do recesso Judiciário que se iniciaria em 19 de dezembro. Então, a solicitação de urgência, se autêntica a mensagem, teria sido feita em benefício do acusado e não o contrário. Saliente-se que o ministro, como juiz, concedeu, em 18 de março de 2016, a José Carlos Bumlai o benefício de prisão domiciliar para tratamento de saúde, o que foi feito em oposição ao MPF. Os fatos podem ser verificados no processo 5056156-95.2015.4.04.7000 da 13ª Vara Federal de Curitiba.continua após a publicidade

2 – Acusa a Veja o ministro, então juiz, de quebra de parcialidade por suposta mensagem de terceiros no sentido de que teria solicitado a inclusão de fato e prova em denúncia do MPF contra Zwi Skornicki e Eduardo Musa na ação penal 5013405-59.2016.4.04.7000. Não tem o ministro como confirmar ou responder pelo conteúdo de suposta mensagem entre terceiros. De todo modo, caso a Veja tivesse ouvido o ministro ou checado os fatos saberia que a acusação relativa ao depósito de USD 80 mil, de 7 de novembro de 2011, e que foi incluído no aditamento da denúncia em questão, não foi reconhecido como crime na sentença proferida pelo então juiz em 2 de fevereiro de 2017, sendo ambos absolvidos deste fato (itens 349 e 424, alínea A e D). A absolvição revela por si só a falsidade da afirmação da existência de conluio entre juiz e procuradores ou de quebra de parcialidade, indicando ainda o caráter fraudulento da suposta mensagem.

3 – Acusa a Veja o ministro, então juiz, de ter escondido fatos do ministro Teori Zavascki em informações prestadas na Reclamação 21802 do Supremo Tribunal Federal e impetrado por Flávio David Barra. Esclareça-se que o então juiz prestou informações ao STF em 17 de setembro de 2015, tendo afirmado que naquela data não dispunha de qualquer informação sobre o registro de pagamentos a autoridades com foro privilegiado. Tal afirmação é verdadeira. A reportagem sugere que o então juiz teria mentido por conta de referência a suposta planilha constante em supostas mensagens de terceiros datadas de 23 de outubro de 2015. Não há qualquer elemento que ateste a autenticidade das supostas mensagens ou no sentido de que o então juiz tivesse conhecimento da referida planilha mais de 30 dias antes. Então, é evidente que o referido elemento probatório só foi disponibilizado supervenientemente e, portanto, que o então juiz jamais mentiu ou ocultou fatos do STF neste episódio ou em qualquer outro.continua após a publicidade

4 – Acusa a Veja o ministro, então juiz, de ter obstaculizado acordo de colaboração do MPF com o ex-deputado Eduardo Cunha. O ocorre que eventual colaboração de Eduardo Cunha, por envolver supostos pagamentos a autoridades de foro privilegiado, jamais tramitou na 13ª Vara de Curitiba ou esteve sob a responsabilidade do ministro, então juiz.

5 – Acusa a Veja que o ministro, então juiz, de ter comandado a Operação Lava Jato por conta de interferência ou definição de datas para operações de cumprimento de mandados de prisão ou busca e apreensão. Ocorre que, quando se discutem datas de operações, trata-se do cumprimento de decisões judiciais já tomadas, sendo necessário que, em grandes investigações, como a Lava Jato, haja planejamento para sua execução, evitando, por exemplo, a sua realização próxima ou no recesso Judiciário.continua após a publicidade

O ministro da Justiça e da Segurança Publica sempre foi e será um defensor da liberdade de imprensa. Entretanto, repudia-se com veemência a invasão criminosa dos aparelhos celulares de agentes públicos com o objetivo de invalidar condenações por corrupção ou para impedir a continuidade das investigações. Mais uma vez, não se reconhece a autenticidade das supostas mensagens atribuídas ao então juiz. Repudia-se ainda a divulgação distorcida e sensacionalista de supostas mensagens obtidas por meios criminosos e que podem ter sido adulteradas total ou parcialmente, sem que previamente tenha sido garantido direito de resposta dos envolvidos e sem checagem jornalística cuidadosa dos fatos documentados, o que, se tivesse sido feito, demonstraria a inconsistência e a falsidade da matéria. Aliás, a inconsistência das supostas mensagens com os fatos documentados indica a possibilidade de adulteração do conteúdo total ou parcial delas.”

Dizer não á Nova Previdência é estratégia pra afundar o Brasil

A rendição total parecia iminente…. e então o povo disse: NÃO. Em 1964 as etapas para a conquista do poder estavam marcadas com um circulo vermelho: primeiro, o caos; depois, guerra civil; por fim domínio comunista total.

Dizer não á Nova Previdência é estratégia para afundar o Brasil pra depois a esquerda bandida apresentar a mesma solução que Bolsonaro e sua equipe está apresentando sem viés ideológico, inclusive atingindo os militares e policiais federais. Ou todos cedem um pouco do seu pedaço, ou não tem pra ninguém.
Voltando à diabólica estratégia da ESQUERDA – afundar o Brasil, transformando-o num caos até 2022 – quando ela sugirá com as mesmas soluções que agora rejeita. Mas, ao contrário, usariam tudo a favor de seus esquemas comunistas.
Como fizeram com os programas de FHC – usaram a estratégia dos outros para se aparelharem e locupletarem. Lançaram suas mãos nos cofres da Nação sem dó.
Segundo a revista de sociologia da USP (Tempo Social), quando Lula assumiu em 2003 encontrou a Rede Social Brasileira de Proteção Social, criada por Fernando Henrique Cardoso. Essa Rede de Proteção Social era formada pelos seguintes programas:
• Bolsa-Escola (MEC).• Bolsa-Alimentação (MS).• Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) (MPAS).• Programa do Agente Jovem (MPAS).• Bolsa-Qualificação (MT).• Benefício Mensal – Idoso (MPAS). • Benefício Mensal – Portadores de Deficiência (MPAS).• Renda Mensal Vitalícia (MPAS).• Bolsa-Renda (seguro-safra) (MA).• Auxílio-gás (MME). • Aposentadorias Rurais (MPAS).• Abono Salarial PIS/Pasep (CEF).• Seguro-desemprego (MT).
A esquerda apenas pegou carona e lhes deu o nome de Bolsa-família e ficou o tempo todo explorando os brasileiros na própria miséria para endeusar o bandido maior – o Lula. De miséria em miséria de um povo que ainda vive na caverna, a esquerda brasileira monta seus impérios às custas do erário numa distribuição entre camaradas. Para entender o que estou dizendo assista ao vídeo.

ASSISTA TAMBÉM

O Mito da Caverna (de Platão) #1

Empresário filiado ao PDT atirou na própria cabeça na frente do governador e do ministro

O empresário gaúcho Sadi Paulo Castiel Gitz, da cerâmica Escurial, cometeu suicídio durante um evento em Aracaju, capital de Sergipe, na manhã desta quinta-feira (4). O Governo do Estado de Sergipe lamentou o ocorrido por meio de uma nota pública.

O evento discutiria aspectos relacionados à produção e oferta de gás em Sergipe, as estratégias do Governo Federal e Estadual para a área, além da visão de instituições e empresas envolvidas no tema. No evento, estava presente o Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Uma transmissão ao vivo compartilhada no perfil oficial nas redes sociais do governador de Sergipe, Belivaldo Chagas Silva, mostra o momento em que os participantes do Simpósio de Oportunidades para o novo cenário do gás natural se comovem com o suicídio do empresário. 

O evento era transmitido pela equipe de assessores quando foi interrompido pelo estampido do tiro. Após esse momento, os participantes se levantam e deixam o local. Minutos depois, por nota, o governador informou que o simpósio seria cancelado. A informação é de que, antes de cometer o suicídio, ele teria se levantado e afirmado “Belivaldo, você é um grande mentiroso.” Na sequência, teria atirado.

De acordo com informações da TV Atalaia, afiliada da Record TV em Sergipe, no mês de maio, a fábrica de cerâmica em que Sadi era diretor presidente, localizada no município de Nossa Senhora do Socorro, na Grande Aracaju, entrou em processo de hibernação.

A companhia havia perdido mais de 600 empregos diretos e indiretos. Um dos motivos para o processo de hibernação teria sido o preço do gás cobrado pela Sergipe Gás (Sergas), empresa concessionária do Governo do Estado.

Quem era o empresário

Nascido em Porto Alegre, Sadi Gitz é graduado em Matemática, Engenharia Mecânica e Administração. Pós-graduado em Engenharia Naval e Engenharia de Segurança pela PUC do Rio Grande do Sul, com MBA em Gestão pela Fundação Getúlio Vargas. Era filiado ao PDT

No serviço público atuou na SMTT (Superintendência de Transporte e Trânsito) e na Emsurb (Empresa Municipal de Serviços Urbanos). Ex-presidente da Acese (Associação Comercial e Empresarial de Sergipe), atualmente é diretor presidente da Cerâmica Sergipe S/A, fundada por ele em 1986.

Rede de apoio 

O Brasil possui atendimento gratuito e anônimo para apoio emocional e prevenção do suicídio para pessoas que estejam lutando contra a depressão. O atendimento pode ser realizado por email ou bate-papo pelo site do Centro de Valorização da Vida (CVV), ou pelo número de telefone 188, 24 horas por dia.