É inconstitucional a Lei apelidada de Fake News para proteger políticos bandidos

O membro do covil usado para barrar denuncias contra políticos bandidos foi o deputado federal Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), que recebeu R$ 1,2 milhão em doações de campanha nas eleições passadas. E parte dessas doações vieram das empreiteiras investigadas na Lava Jato.

Esse deputado quer pena de 4 a 12 anos para quem denunciar os esquemas da organização política homiziada no Congresso graças a um povo que vende seu voto por R$ 10,00.

Seus comparsas aprovaram a Lei apelidando-a de Fake News e determinado prisão de 2 a 8 anos para quem lhes denunciar. Ou seja, usar a lei para acobertar atos criminosos seus costumeiramente praticados nas eleições e fora delas.

O Presidente Jair Bolsonaro vetou o dispositivo. Mas, a organização derrubou o veto, apesar do presidente ter usado forte argumentação. Confira as razões do veto:

“A propositura legislativa ao acrescer o art. 326-A, caput, ao Código Eleitoral, tipifica como crime a conduta de denunciação caluniosa com finalidade eleitoral. Ocorre que o crime previsto no § 3º do referido art. 326-A da propositura, de propalação ou divulgação do crime ou ato infracional objeto de denunciação caluniosa eleitoral, estabelece pena de reclusão, de dois a oito anos, e multa, em patamar muito superior à pena de conduta semelhante já tipificada no § 1º do art. 324 do Código Eleitoral, que é de propalar ou divulgar calúnia eleitoral, cuja pena prevista é de detenção, de seis meses a dois anos, e multa. Logo, o supracitado § 3º viola o princípio da proporcionalidade entre o tipo penal descrito e a pena cominada.”     Essas, Senhor Presidente, as razões que me levaram a vetar o dispositivo acima mencionado do projeto em causa, as quais ora submeto à elevada apreciação dos Senhores Membros do Congresso Nacional”.

ESQUEMA DA ORGANIZAÇÃO PARA SE PROTEGER É INCONSTITUCIONAL

Porque fere os princípios constitucionais da proporcionalidade e da razoabilidade. explico:

O preceito secundário (que estabelece a sanção de 2 a 8 anos) do § 3º do art. 326-A, do Código Penal, é inconstitucional. Pois como avisou Bolsonaro no veto, já existe “pena de conduta semelhante tipificada no § 1º do art. 324 do Código Eleitoral, que assim dispõe:

“§ 1° Nas mesmas penas incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga”. Pena detenção de 6 meses a 2 anos, e pagamento de 10 a 40 dias-multa.

Ver-se claramente que não há conformidade entre o delito e a pena ( total falta de razoabilidade). Essa pena estabelecida pelos deputados é maior que a pena para quem mata um recém-nascido (Infanticídio), cuja pena é de detenção de 2 a seis anos, conforme o Art. 123, do mesmo código penal.

Ademais a lei de proteção das malandragem dos políticos bandidos não preenche os critérios de ADEQUAÇÃO, NECESSIDADE e PROPORCIONALIDADE EM SENTIDO ESTRITO, caracterizadores do principio normativo da proporcionalidade. Senão vejamos:

A medida representa um fim baseado no interesse público?

A resposta é não!! Portanto, não há o critério de ADEQUAÇÃO para conformidade ou a validade da pretensão dos políticos. Ao contrário, a população quer ver é transparência nos processos eleitorais e pluralidade de opiniões. Para os excessos já há freios apropriados no Código Eleitoral.

HÁ NECESSIDADE? uma vez que o art. 324, § 1º, do Código Eleitoral já prevê o crime e sua sansão

DE NOVO A RESPOSTA É NÃO!!. Logo, os espertalhões não preencheram o critério da NECESSIDADE para legitimar uma norma penal.

O QUE É MAIS RELEVANTE, O INTERESSE DA POPULAÇÃO OU OS INTERESSES DOS POLÍTICOS BANDIDOS?

CLARO QUE É O INTERESSE DA POPULAÇÃO. Esta quer transparência política e ver denunciados os que cometem crimes. Portanto a Lei dos deputados espertalhões também não preenche o critério constitucional da PROPORCIONALIDADE EM SENTIDO ESTRITO, pois o bem sacrificado (o cidadão) é mais importante que o beneficiado (o político).

Para os juristas, uma norma será desarrazoada ao punir uma conduta insignificante por violar a dignidade da pessoa humana. Digo eu: principalmente quando essa suposta dignidade é evocada por políticos que colecionam pilhas de denuncias por condutas contrárias ao interesse público.

Por tanto, é inconstitucional o dispositivo da lei apelidada de Fake News para proteger reincidentes bandidos da política brasileira. Na relação abaixa dá para se identificar dezenas deles.

VEJA COMO VOTARAM DEPUTADOS E SENADORES E COMO ELES SE PROTEGEM CONTRA USANDO A LEI A SEUS PROPÓSITOS:

Veto nº 17/2019 – Votação do dispositivo 17.19.001 – § 3º do art. 326-A da Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965, com a redação dada pelo art. 2º do projeto

Matéria vetada:PLC 43/2014
PL 1978/2011Norma gerada:Lei nº 13.834 de 04/06/2019


Escolher outro dispositivo:   17.19.001 – § 3º do art. 326-A da Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965, com a redação dada pelo art. 2º do projeto (Rejeitado) 

Votação do dispositivo 17.19.001 – § 3º do art. 326-A da Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965, com a redação dada pelo art. 2º do projeto

Texto do dispositivo vetado:

Incorrerá nas mesmas penas deste artigo quem, comprovadamente ciente da inocência do denunciado e com finalidade eleitoral, divulga ou propala, por qualquer meio ou forma, o ato ou fato que lhe foi falsamente atribuído.

Data da Sessão:28/08/2019Tipo de votação:PainelSituação:RejeitadoAgrupar:   — Por UF Por partido Por voto Recarregar

Senadores

ParlamentarPartidoUFVoto 
AL
Rodrigo CunhaPSDBALNão
AM
Eduardo BragaMDBAMNão
Omar AzizPSDAMNão
AP
Davi AlcolumbreDEMAPArt. 17
Randolfe RodriguesREDEAPNão
BA
Ângelo CoronelPSDBANão
CE
Cid GomesPDTCENão
Eduardo GirãoPodemosCESim
Tasso JereissatiPSDBCENão
DF
Izalci LucasPSDBDFNão
Leila BarrosPSBDFNão
ReguffeS.Part.DFNão
ES
Fabiano ContaratoREDEESNão
Marcos do ValPodemosESNão
GO
Luiz do CarmoMDBGONão
MA
Eliziane GamaCIDADANIAMANão
WevertonPDTMANão
MG
Antonio AnastasiaPSDBMGNão
Carlos VianaPSDMGNão
Rodrigo PachecoDEMMGNão
MS
Nelsinho TradPSDMSNão
Soraya ThronickePSLMSSim
MT
Jayme CamposDEMMTNão
Wellington FagundesPLMTNão
PA
Paulo RochaPTPANão
Zequinha MarinhoPSCPANão
PB
Daniella RibeiroPPPBNão
José MaranhãoMDBPBNão
Veneziano Vital do RêgoPSBPBNão
PE
Fernando Bezerra CoelhoMDBPENão
Humberto CostaPTPENão
PI
Ciro NogueiraPPPINão
Elmano FérrerPodemosPISim
Marcelo CastroMDBPINão
PR
Flavio ArnsREDEPRNão
RJ
Arolde de OliveiraPSDRJNão
Flávio BolsonaroPSLRJSim
RN
Jean Paul PratesPTRNNão
Styvenson ValentimPodemosRNNão
Zenaide MaiaPROSRNNão
RO
Acir GurgaczPDTRONão
Confúcio MouraMDBRONão
Marcos RogérioDEMRONão
RR
Chico RodriguesDEMRRNão
Mecias de JesusRepublicanRRNão
RS
Lasier MartinsPodemosRSNão
Luis Carlos HeinzePPRSNão
SC
Dário BergerMDBSCNão
Esperidião AminPPSCNão
Jorginho MelloPLSCNão
SE
Alessandro VieiraCIDADANIASENão
Rogério CarvalhoPTSENão
SP
José SerraPSDBSPSim
Major OlímpioPSLSPSim
TO
Eduardo GomesMDBTONão

Deputados

ParlamentarPartidoUFVoto 
AC
Alan RickDEMACNão
Dra. Vanda MilaniSolidariedACSim
Flaviano MeloMDBACNão
Jesus SérgioPDTACNão
Manuel MarcosRepublicanACNão
Mara RochaPSDBACNão
Perpétua AlmeidaPCdoBACNão
AL
Arthur LiraPPALNão
Isnaldo Bulhões Jr.MDBALNão
JhcPSBALNão
Marx BeltrãoPSDALNão
Nivaldo AlbuquerquePTBALNão
PaulãoPTALNão
Sergio ToledoPLALNão
Severino PessoaRepublicanALNão
Tereza NelmaPSDBALNão
AM
Bosco SaraivaSolidariedAMSim
Capitão Alberto NetoRepublicanAMNão
Delegado PabloPSLAMSim
José RicardoPTAMNão
Marcelo RamosPLAMNão
Sidney LeitePSDAMNão
Silas CâmaraRepublicanAMNão
Átila LinsPPAMNão
AP
Acácio FavachoPROSAPNão
Aline GurgelRepublicanAPNão
André AbdonPPAPNão
Leda SadalaAvanteAPNão
Luiz CarlosPSDBAPNão
Professora MarcivaniaPCdoBAPNão
BA
Abílio SantanaPLBANão
Adolfo VianaPSDBBANão
Afonso FlorencePTBANão
Alice PortugalPCdoBBANão
BacelarPodemosBANão
Cacá LeãoPPBANão
Claudio CajadoPPBANão
Daniel AlmeidaPCdoBBANão
Félix Mendonça JúniorPDTBANão
Jorge SollaPTBANão
Joseildo RamosPTBANão
José NunesPSDBANão
José RochaPLBANão
João RomaRepublicanBANão
Leur Lomanto JúniorDEMBANão
Lídice da MataPSBBANão
Marcelo NiloPSBBANão
Márcio MarinhoRepublicanBANão
Mário Negromonte Jr.PPBANão
Nelson PellegrinoPTBANão
Pastor Sargento IsidórioAvanteBANão
Paulo AziDEMBANão
Paulo MagalhãesPSDBANão
Professora Dayane PimentelPSLBASim
Raimundo CostaPLBANão
TitoAvanteBANão
Valmir AssunçãoPTBANão
Waldenor PereiraPTBANão
Zé NetoPTBANão
CE
André FigueiredoPDTCENão
Capitão WagnerPROSCENão
Célio StudartPVCESim
Denis BezerraPSBCENão
Dr. JazielPLCENão
Eduardo BismarckPDTCENão
Heitor FreirePSLCESim
Idilvan AlencarPDTCENão
José GuimarãesPTCENão
Leônidas CristinoPDTCENão
Luizianne LinsPTCENão
Pedro Augusto BezerraPTBCENão
Robério MonteiroPDTCENão
Vaidon OliveiraPROSCENão
DF
Bia KicisPSLDFSim
Celina LeãoPPDFNão
Erika KokayPTDFNão
Flávia ArrudaPLDFNão
Julio Cesar RibeiroRepublicanDFNão
Paula BelmonteCIDADANIADFSim
Professor Israel BatistaPVDFNão
ES
Amaro NetoRepublicanESNão
Da VitóriaCIDADANIAESNão
Dra. Soraya ManatoPSLESSim
Evair Vieira de MeloPPESSim
Felipe RigoniPSBESNão
Helder SalomãoPTESNão
LaurietePLESNão
Norma AyubDEMESNão
Sergio VidigalPDTESNão
Ted ContiPSBESNão
GO
Adriano do BaldyPPGONão
Célio SilveiraPSDBGONão
Delegado WaldirPSLGOSim
Dr. Zacharias CalilDEMGONão
Elias VazPSBGONão
Flávia MoraisPDTGONão
Francisco Jr.PSDGONão
João CamposRepublicanGONão
Magda MofattoPLGONão
Major Vitor HugoPSLGOSim
Professor AlcidesPPGONão
Rubens OtoniPTGONão
MA
Aluisio MendesPodemosMANão
Bira do PindaréPSBMANão
Cleber VerdeRepublicanMANão
Edilázio JúniorPSDMANão
Eduardo BraidePMNMANão
Gastão VieiraPROSMANão
Gil CutrimPDTMANão
Hildo RochaMDBMANão
João Marcelo SouzaMDBMANão
Junior LourençoPLMANão
Marreca FilhoPatriotaMASim
Márcio JerryPCdoBMANão
Pastor GildenemyrPLMANão
Pedro Lucas FernandesPTBMANão
MG
Alê SilvaPSLMGSim
André JanonesAvanteMGNão
Aécio NevesPSDBMGNão
Charlles EvangelistaPSLMGSim
Delegado Marcelo FreitasPSLMGSim
Dimas FabianoPPMGNão
Domingos SávioPSDBMGNão
Dr. FredericoPatriotaMGSim
Eduardo BarbosaPSDBMGNão
Emidinho MadeiraPSBMGNão
Enéias ReisPSLMGSim
Eros BiondiniPROSMGSim
Euclydes PettersenPSCMGNão
Franco CartafinaPPMGNão
Fred CostaPatriotaMGSim
Fábio RamalhoMDBMGNão
Gilberto AbramoRepublicanMGNão
Igor TimoPodemosMGSim
Junio AmaralPSLMGSim
Júlio DelgadoPSBMGNão
Lafayette de AndradaRepublicanMGNão
Leonardo MonteiroPTMGNão
Lucas GonzalezNOVOMGSim
Luis TibéAvanteMGNão
Léo MottaPSLMGSim
Marcelo AroPPMGNão
Margarida SalomãoPTMGNão
Mauro LopesMDBMGNão
Misael VarellaPSDMGNão
Padre JoãoPTMGNão
Paulo Abi-AckelPSDBMGNão
Paulo GuedesPTMGNão
PinheirinhoPPMGNão
Rogério CorreiaPTMGNão
Stefano AguiarPSDMGNão
Subtenente GonzagaPDTMGNão
Tiago MitraudNOVOMGSim
Vilson da FetaemgPSBMGNão
Weliton PradoPROSMGNão
Zé SilvaSolidariedMGNão
Zé VitorPLMGNão
Áurea CarolinaPSOLMGNão
MS
Beto PereiraPSDBMSNão
Bia CavassaPSDBMSNão
Dagoberto NogueiraPDTMSNão
Dr. Luiz OvandoPSLMSSim
Fábio TradPSDMSNão
Loester TrutisPSLMSSim
Rose ModestoPSDBMSNão
Vander LoubetPTMSNão
MT
Dr. LeonardoSolidariedMTNão
Emanuel Pinheiro NetoPTBMTNão
Juarez CostaMDBMTNão
Nelson BarbudoPSLMTSim
Neri GellerPPMTNão
Professora Rosa NeidePTMTNão
PA
Airton FaleiroPTPANão
Celso SabinoPSDBPANão
Cristiano ValePLPANão
Cássio AndradePSBPANão
Eduardo CostaPTBPANão
Elcione BarbalhoMDBPANão
Hélio LeiteDEMPANão
Joaquim PassarinhoPSDPASim
José PrianteMDBPANão
Júnior FerrariPSDPASim
Nilson PintoPSDBPANão
PB
Edna HenriquePSDBPBNão
Efraim FilhoDEMPBNão
Gervásio MaiaPSBPBNão
Julian LemosPSLPBSim
Pedro Cunha LimaPSDBPBNão
Ruy CarneiroPSDBPBNão
Wilson SantiagoPTBPBNão
PE
André FerreiraPSCPESim
André de PaulaPSDPENão
Augusto CoutinhoSolidariedPENão
Carlos VerasPTPENão
Daniel CoelhoCIDADANIAPESim
Felipe CarrerasPSBPENão
Fernando Coelho FilhoDEMPENão
Fernando MonteiroPPPENão
Fernando RodolfoPLPENão
Gonzaga PatriotaPSBPENão
João H. CamposPSBPENão
Marília ArraesPTPENão
Ossesio SilvaRepublicanPENão
Pastor EuricoPatriotaPENão
Renildo CalheirosPCdoBPENão
Ricardo TeobaldoPodemosPENão
Sebastião OliveiraPLPENão
Tadeu AlencarPSBPENão
Túlio GadêlhaPDTPENão
Wolney QueirozPDTPENão
PI
Flávio NogueiraPDTPINão
Iracema PortellaPPPINão
Júlio CesarPSDPINão
Marcos Aurélio SampaioMDBPINão
Margarete CoelhoPPPINão
Marina SantosSolidariedPISim
Átila LiraPSBPINão
PR
Aline SleutjesPSLPRSim
Aroldo MartinsRepublicanPRNão
Boca AbertaPROSPRNão
Christiane de Souza YaredPLPRNão
Diego GarciaPodemosPRSim
Enio VerriPTPRNão
Evandro RomanPSDPRNão
Felipe FrancischiniPSLPRSim
Filipe BarrosPSLPRSim
Gleisi HoffmannPTPRNão
Gustavo FruetPDTPRNão
Hermes ParcianelloMDBPRNão
LeandrePVPRSim
Luciano DucciPSBPRNão
Luisa CanzianiPTBPRNão
Luiz NishimoriPLPRNão
Luizão GoulartRepublicanPRNão
Paulo Eduardo MartinsPSCPRSim
Pedro LupionDEMPRNão
Reinhold Stephanes JuniorPSDPRNão
Rubens BuenoCIDADANIAPRNão
Sargento FahurPSDPRSim
SchiavinatoPPPRNão
Sergio SouzaMDBPRNão
Toninho WandscheerPROSPRNão
VermelhoPSDPRNão
Zeca DirceuPTPRNão
RJ
Alessandro MolonPSBRJNão
Alexandre SerfiotisPSDRJNão
Altineu CôrtesPLRJNão
Aureo RibeiroSolidariedRJNão
Benedita da SilvaPTRJNão
Carlos JordyPSLRJSim
Chico D`AngeloPDTRJNão
Chiquinho BrazãoAvanteRJNão
Chris ToniettoPSLRJSim
Christino AureoPPRJNão
Clarissa GarotinhoPROSRJSim
Daniel SilveiraPSLRJSim
Daniela do WaguinhoMDBRJNão
Delegado Antônio FurtadoPSLRJSim
Felício LaterçaPSLRJSim
FlordelisPSDRJNão
Gelson AzevedoPLRJNão
Glauber BragaPSOLRJNão
GurgelPSLRJSim
Gutemberg ReisMDBRJNão
Helio LopesPSLRJSim
Hugo LealPSDRJNão
Jandira FeghaliPCdoBRJNão
Jorge BrazRepublicanRJNão
Juninho do PneuDEMRJNão
Lourival GomesPSLRJSim
Luiz Antônio CorrêaPLRJNão
Luiz LimaPSLRJSim
Marcelo FreixoPSOLRJNão
Márcio LabrePSLRJSim
Paulo GanimeNOVORJSim
Paulo RamosPDTRJNão
Pedro PauloDEMRJNão
Professor JozielPSLRJSim
Ricardo PericarPSLRJSim
Rosangela GomesRepublicanRJNão
Soraya SantosPLRJNão
Talíria PetronePSOLRJNão
Vinicius FarahMDBRJNão
Wladimir GarotinhoPSDRJNão
RN
Benes LeocádioRepublicanRNNão
Beto RosadoPPRNNão
General GirãoPSLRNSim
João MaiaPLRNNão
Natália BonavidesPTRNNão
Rafael MottaPSBRNNão
Walter AlvesMDBRNNão
RO
Coronel ChrisóstomoPSLROSim
Jaqueline CassolPPRONão
Lucio MosquiniMDBRONão
Léo MoraesPodemosRONão
Mariana CarvalhoPSDBRONão
Mauro NazifPSBRONão
Silvia CristinaPDTRONão
RR
Haroldo CathedralPSDRRNão
Hiran GonçalvesPPRRNão
Jhonatan de JesusRepublicanRRNão
Joenia WapichanaREDERRNão
NicolettiPSLRRSim
Otaci NascimentoSolidariedRRNão
ShéridanPSDBRRNão
RS
Afonso MottaPDTRSNão
Bibo NunesPSLRSSim
Carlos GomesRepublicanRSNão
Daniel TrzeciakPSDBRSNão
Fernanda MelchionnaPSOLRSNão
Giovani FeltesMDBRSNão
Henrique FontanaPTRSNão
Liziane BayerPSBRSNão
Lucas RedeckerPSDBRSNão
Marcel van HattemNOVORSSim
Marcelo BrumPSLRSSim
Marcelo MoraesPTBRSNão
MarconPTRSNão
Maurício DziedrickiPTBRSNão
Márcio BiolchiMDBRSNão
Nereu CrispimPSLRSSim
Pedro WestphalenPPRSNão
Pompeo de MattosPDTRSNão
SandersonPSLRSSim
SantiniPTBRSNão
SC
Angela AminPPSCNão
Carlos ChiodiniMDBSCNão
Caroline de ToniPSLSCSim
Celso MaldanerMDBSCNão
Coronel ArmandoPSLSCSim
Daniel FreitasPSLSCSim
Darci de MatosPSDSCNão
Gilson MarquesNOVOSCSim
Hélio CostaRepublicanSCNão
Pedro UczaiPTSCNão
Ricardo GuidiPSDSCNão
Rodrigo CoelhoPSBSCNão
Rogério Peninha MendonçaMDBSCSim
SE
Bosco CostaPLSENão
Fábio HenriquePDTSENão
Fábio MitidieriPSDSENão
Laercio OliveiraPPSENão
Valdevan NoventaPSCSENão
SP
Abou AnniPSLSPSim
Adriana VenturaNOVOSPSim
Alencar Santana BragaPTSPNão
Alex ManenteCIDADANIASPNão
Alexandre FrotaPSDBSPNão
Alexandre LeiteDEMSPNão
Alexandre PadilhaPTSPNão
Alexis FonteyneNOVOSPSim
Arlindo ChinagliaPTSPNão
Arnaldo JardimCIDADANIASPNão
Bruna FurlanPSDBSPNão
Capitão AugustoPLSPSim
Carla ZambelliPSLSPSim
Carlos ZarattiniPTSPNão
Celso RussomannoRepublicanSPSim
Cezinha de MadureiraPSDSPNão
Coronel TadeuPSLSPSim
David SoaresDEMSPNão
Eduardo BolsonaroPSLSPSim
Eduardo CuryPSDBSPNão
Eli Corrêa FilhoDEMSPNão
Enrico MisasiPVSPSim
Fausto PinatoPPSPNão
General PeternelliPSLSPSim
Guiga PeixotoPSLSPNão
Guilherme DerritePPSPSim
Herculano PassosMDBSPNão
Ivan ValentePSOLSPNão
Jefferson CamposPSBSPNão
Joice HasselmannPSLSPSim
Júnior BozzellaPSLSPNão
Kim KataguiriDEMSPNão
Luiz Carlos MottaPLSPNão
Luiz Flávio GomesPSBSPNão
Luiz Philippe de Orleans e BragançaPSLSPSim
Marcio AlvinoPLSPNão
Marco BertaiolliPSDSPNão
Maria RosasRepublicanSPNão
Miguel HaddadPSDBSPNão
Miguel LombardiPLSPNão
Milton VieiraRepublicanSPNão
Nilto TattoPTSPNão
Paulo Freire CostaPLSPNão
Paulo Pereira da SilvaSolidariedSPNão
Paulo TeixeiraPTSPNão
Policial Katia SastrePLSPNão
Pr. Marco FelicianoPodemosSPSim
Renata AbreuPodemosSPNão
Ricardo IzarPPSPNão
Roberto AlvesRepublicanSPNão
Roberto de LucenaPodemosSPSim
Rodrigo AgostinhoPSBSPNão
Rosana VallePSBSPNão
Rui FalcãoPTSPNão
Samuel MoreiraPSDBSPNão
Sâmia BomfimPSOLSPNão
Tabata AmaralPDTSPNão
TiriricaPLSPNão
VicentinhoPTSPNão
Vinicius CarvalhoRepublicanSPNão
Vinicius PoitNOVOSPSim
TO
Carlos Henrique GaguimDEMTONão
Célio MouraPTTONão
Dulce MirandaMDBTONão
Eli BorgesSolidariedTONão
Tiago DimasSolidariedTONão
Vicentinho JúniorPLTONão

A família brasileira censura a suruba na Ancine com dinheiro público. E pronto!!

Filmes com enredos de destruição da família brasileira e financiados com recursos públicos, estão censurado pelas famílias tradicionais que são maioria. Bolsonaro é a voz dessas famílias.

Não adianta mimimis de “mas, …. a Constituição….”. O conteúdo da Constituição só se mantem até o momento que o povo quiser. Pois, ” Todo o poder emana do povo“.

ARGENTINA: “as cidades que amam seus ladrões”.

a imprensa espanhola e uma análise difícil da situação política na Argentina

MADRID.- Eles são qualificados como os sete dias “antes do abismo” na Argentina. A semana desde as eleições primárias projetadas na Espanha a imagem de um “vácuo de poder” Mauricio Macri ea nomeação de Hernán Lacunza em substituição de Nicolás Dujovne em Economia como uma “tarefa muito difícil” na tentativa de recuperar pontos para outubro.Ads by 

“Os investidores temem uma possível vitória do peronismo” e um provável cenário de “default” no caso de Cristina Kirchner voltar ao poder e Alberto Fernández – “o novo homem forte” – se tornar presidente a partir de dezembro.

Nesse sentido, ele reflete sobre o que acontece “quando as pessoas amam seus ladrões” em um país “que esquece sua história e parece não estar relacionado a repeti-la”, optando pelos responsáveis ​​por “roubo” e “cleptocracia organizada”.

A relação tensa com a Espanha durante os 12 anos do governo Kirchner está presente nas abordagens de seus analistas ao projetar o futuro no país que era o destino preferido de seus investimentos no exterior.

Alarme de Crise Terminal

O jornal El País começa sua edição de domingo com uma série de crônicas sobre “a semana do abismo” em nosso país.

Ele sustenta que “a possibilidade certa de um retorno do Kirchnerismo ao poder mergulhou o país em uma grave crise econômica”, que reivindicou sua primeira vítima política no renunciado Dujovne.

“Os argentinos acendem os alarmes de outra crise terminal”, ele descreve após entrar no campo sociológico de como os cidadãos “sentem sua iminência em sua pele” e eles não têm escolha a não ser fazer mais do que sempre fizeram: “aguente firme” .

Da economia, o rotary influente descreve as razões pelas quais “o peronismo assusta tanto o mercado”. Ele censura o candidato Fernández pela ausência de “detalhes do programa econômico” e o medo que isso gera da repetição de “controles de capital e uma suspensão de pagamentos”.

Idolize o ladrão

Através da caneta de seu diretor, Francisco Rosell, o jornal El Mundo faz uma extensa análise do que acontece “quando as pessoas amam seus próprios ladrões”.

Para isso, ele traça um paralelo entre a opção do voto argentino eo retorno de “aqueles que cometeram o roubo” ea militância nacionalista catalã, à qual ele censura a “cleptocracia” do clã Pujol, cujo patriarca governou por 23 anos “para o benefício de sua conta própria no banco suíço “.

“Não há dúvida de que a Argentina é uma catástrofe da má política”, diz Rosell, descrevendo uma “massa ideologizada e indulgente com a corrupção peronista”.

“Esquecendo sua história e condenado como Sísifo a repeti-lo”, ele menciona um provável retorno do Kirchnerismo ao poder “enquanto é julgado por seus latrocínios e após quatro anos de ter deixado a Casa Rosa pela porta dos fundos”.

Não parece, diz ele, estar disposto a pôr fim a todo esse baile de máscaras, lembrando-se de um suposto refrão que décadas atrás dizia “Puto e ladrão, queremos Perón”.

Conclui com prevenção sobre o que acontece com as sociedades que “reverenciam seus ladrões à idolatria”.

“Alberto e a banda”

Com a assinatura de Carmen De Carlos, o conservador ABC dá oxigênio a Lacunza ao moldar sua designação como uma manobra “pensada e calculada” para enfrentar os desafios em um contexto eleitoral complexo, dado o potencial retorno do kirchnerismo.

Ele inclui uma entrevista com o peronista Julio Bárbaro, que prevê não apenas o triunfo de Fernández, mas que Macri “receberá menos votos em outubro” do que os obtidos no primário no último domingo.

“Alberto Fernández e o bando de peronistas que preparam o retorno ao poder”, descreve o site de notícias El Español, dirigido por Pedro J. Ramírez, ao traçar um perfil do candidato da formação peronista.

Em seguida, concentra seu foco na “encruzilhada” de Mauricio Macri com a mudança do leme econômico, enquanto garante à Lacunza um “relançamento expresso” da administração antes das eleições de outubro.

Por: Silvia Pisani

LEIS OBRAS-DE-ARTE PRODUZIDAS PELA ESQUERDA BRASILEIRA

https://platform.twitter.com/widgets.js

Fred Campos pratica abuso de poder econômico, promoção pessoal e antecipa propaganda eleitoral em Paço do Lumiar para 2020

Propaganda eleitoral é aquela que leva ao conhecimento geral, ainda que de forma dissimulada, a candidatura, mesmo que apenas postulada que induz a concluir que o beneficiário é o mais apto ao exercício da função pública ( Acórdão 15.372 do TSE).

Com a sua promoção pessoal, Fred Campos já inicia uma pré-campanha com abuso de poder econômico diante de uma publicidade móvel em todos veículos coletivos que circulam em Paço do Lumiar e região metropolitana.